huge monster bodybuilder man huge coock sex fucking sexy video porns cherie deville begs step-daughter to help dildo stuck in pussy desi home housewife showing accidentally ankles and knees pics xxx hindi indian digital playground phat ass latina abella danger eats out milf

Nosso Blog

Transtorno Obsessivo Compulsivo

O Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) acomete em torno de 3% da população mundial (atualmente estimada em quase 7,5 bilhões de pessoas). Parece pouco, mas estamos falando de milhões de pessoas no mundo inteiro. 
Apresento alguns dos sinais e sintomas característicos do transtorno obsessivo compulsivo (TOC) e suas manifestações associadas: 
– As obsessões ou ideias obsessivas = são pensamentos que vem à cabeça independente da vontade da pessoa, aparecendo repentinamente e repetidas vezes. São ideias irreais. A pessoa tem consciência que é uma ideia e que não faz sentido, mas fica apavorada apenas em pensar nela. 
– As compulsões ou rituais compulsivos = são ações ou rituais que o sujeito sente-se na obrigação de realizar para aliviar ou evitar as obsessões e repetições. 
Quando o sujeito não efetiva o ato para concretizar os rituais, ele tem um sentimento de sofrimento e ansiedade que o deixa com dificuldades de realizar outras ações. Para poder diagnosticar uma pessoa como portadora de TOC é necessário que as obsessões e/ou compulsões estejam interferindo ou limitando a realização de suas atividades diárias, que causem sofrimento ou incômodo ao sujeito e que consumam tempo. 
Baseado na minha experiência clínica com uma escuta psicanalítica, apresento uma reflexão sobre o transtorno obsessivo compulsivo. Durante estes anos tenho recebido tanto homens como mulheres, cada vez mais jovens (11-12 anos), sofrendo com estes pensamentos irreais que aprisionam o sujeito, mudando sua forma de agir e se posicionar no mundo. Nestes sinais e sintomas da obsessão e compulsão há a presença da dúvida, o pensamento obsessivo sobre algo irreal, alguns casos também envolvem a mania com rituais e a compulsão. 
Neste artigo desejo abordar uma reflexão mais provocadora sobre a subjetividade do sujeito além destes traços. 
Em psicanálise olhamos para o sujeito como dinâmico apesar da sua estrutura psíquica. A avaliação diagnóstica será observada a partir da estrutura psíquica de funcionamento do sujeito, sendo ela neurose, psicose ou perversa. 
Em seu livro, Neurose Obsessiva de Maria Anita Carneiro Ribeiro, aborda a questão política do discurso capitalista de anular o sujeito do desejo e substituí-lo para o consumidor passivo. “A neurose obsessiva é um distúrbio que produz sofrimento psíquico e que aponta para os impasses do sujeito com o seu desejo inconsciente. Já o TOC, na abordagem e descrição do CID 10 é uma doença cerebral, com a qual o sujeito não tem nada a ver e que deve ser tratada com remédios. Depois da moda da depressão medicada, temos o obsessivo também reduzido a um doente que precisa ser medicado.” 
Não podemos reduzir o sujeito ao ponto de apenas olharmos para os sintomas. 
Em psicoterapia temos que oferecer para esse sujeito que sofre uma possibilidade de conviver com aquilo que o faz sofrer e, conviver com seus sintomas de uma forma inclusiva em todos os contextos. Em psicanálise, não olhamos apenas para a cura como eliminação de um sintoma, existe uma possibilidade do sujeito viver, (com)viver e existir com seus sintomas. 
Na sequência exponho a fala de um paciente que sofre com TOC, apresentando um ritual de limpeza das mãos, que faz o tratamento com medicamentos e psicoterapia, e que convive com seus sintomas: “ A diferença é que agora eu aperto a mão. Os pensamentos vêm e vão. Mas agora consigo espantá-los.“ 
É importante salientar que devemos a Freud “a invenção” da neurose obsessiva. Foi em 1986, no texto “A hereditariedade e a etiologia das neuroses”, que Freud tornou pública sua inovação nosográfica , em função das suas pesquisas sobre o inconsciente , foi necessário situar junto à histeria a neurose de obsessões. Antes de Freud, o quadro que conhecemos hoje como neurose obsessiva era considerado uma manifestação de mania e pertencia ao quadro das psicoses. 
“Pinel, Esquirol, J.P Falret e Legrand du Saulle, grandes psiquiatras clínicos, descreveram a neurose obsessiva como mania sem delírio, a monomania do raciocínio, a loucura da dúvida, a patologia da inteligência, ora acentuando a alteração da conduta do sujeito afetado, ora sublinhando a sua alienação parcial. “ 
Do ponto de vista médico, o transtorno obsessivo-compulsivo é uma doença marcada por obsessões e compulsões que ocorrem de forma persistente, podendo afetar rotinas, relações pessoais e profissionais do sujeito acometido por este transtorno, podendo tomar horas do dia, fazendo com que este, muitas vezes se isole para que seus rituais não sejam percebidos por familiares e amigos. 
Mesmo sendo os sintomas mais característicos do TOC, as obsessões e as compulsões, não podem ser consideradas separadamente durante o processo diagnóstico, afinal esses mesmos sintomas são parte de outros quadros clínicos como depressões, esquizofrenias e demências. Podendo ainda, ser consideradas manifestações normais em certas etapas da vida, como durante a gravidez e o puerpério (TORRES, 2004). 
O TOC foi considerado por muito tempo um dos transtornos mais complexos, principalmente no que diz respeito ao tratamento. “Ele era tido como raro, sendo que a prevalência do TOC é hoje de cerca de 3% da população mundial” (KARMO et al 1998 apud RIGGS; FOA, 1999, p. 220). Esses autores consideram que a idade de início do transtorno varia do início da adolescência até meados da segunda década de vida, ocorrendo geralmente mais cedo nos homens (13-15) e mais tarde nas mulheres (entre 20 – 24). 
A Neurose Obsessiva descrita em psicanálise por Sigmund Freud, desde o início de seu estudo, ressaltando estes aspectos no texto: “O homem dos ratos”, o qual contribuiu enormemente para a construção da teoria psicanalítica. 
Não há até hoje um consenso em relação a se, a neurose obsessiva descrita por Freud, poderia ser igualada ao que hoje a psiquiatria moderna descreve como Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC), fato é que poderemos encontrar pouca diferenciação na descrição feita por Freud e no que hoje se denominam os sintomas desse transtorno. Deixemos que a comunidade científica nos responda essas dúvidas. 
Há hoje uma tendência a medicar e reduzir a subjetividade, domá-la e impor-lhe regras de adequação. Se a proposta da reforma psiquiátrica é incluirmos o sujeito respeitando sua subjetividade e seus aspectos bio-psico e social, como profissionais não podemos cair no reducionismo higienista e enquadrar o tratamento do sujeito apenas olhando para seus sinais e sintomas. Precisamos ir além destes traços para não retornarmos ao modelo hospitalar, enquadrando o sujeito por um nome. 
*Caroline Gouvêa S. Wallner: Psicóloga (2006), Especialista em Saúde Mental, vive a psicanálise como um saber-fazer há 10 anos. Atende em Sorocaba/SP. 
Editora da revista: Psicanálise e Amor: uma transmissão. 
Mais sobre a autora: www.sorocabapsicologa.com.br
Referências: 
Classificação Internacional de Doenças – CID-10. Organização Mundial de saúde. 7 ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1999. 
FREUD, Sigmund. O Homem dos Ratos . Obras Completas, vol X – (1909) Notas sobre um caso de neurose obsessiva. 
GRAEFF, Frederico G. Transtornos de ansiedade. São Paulo: Atheneu, 2004. 
RIGGS, David S.; FOA, Edna B. Transtorno obsessivo-compulsivo. In: BARLOW, David H. Manual Clínico dos Transtornos Psicológicos. Porto Alegre: Artmed, 1999. 
RIBEIRO, Maria Anita Carneiro. A neurose obsessiva. 3 ed.- Rio de Janeiro: Zahar,2011. ( Coleção Passo a Passo; 23). 
ROSARIO-CAMPOS, Maria Conceição do and MERCADANTE, Marcos T. Transtorno obsessivo-compulsivo. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 2000, vol.22, suppl.2, pp.16-19. ISSN 1516-4446. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462000000600005. 
TORRES, Albina Rodrigues. Transtorno obsessivo-compulsivo. In: HETEN, Luiz Alberto; 
Fonte: http://psicanaliseeamor.com.br/transtorno-obsessivo-compulsivo/

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on linkedin
Share on print

Posts Recentes: